3 de nov de 2007

Despir do corpo

Despeço-me dos prantos e dos brinquedos

navegando nos liquidos cheirosos

das mais escondidas entranhas

dentre lençois de linho arfando

e gemidos arfantes...

Minha alma escapa(sse) do material

e do próprio corpo

e projeta-se febríl e incandescente

para o ultimo e definitivo:

amor.


Nenhum comentário: