29 de mai de 2009

VOAR TALVEZ SEJA A SOLUÇÃO - Sidnei Alves Teixeira

(com o pensamento em Gustavo Rodrigues)

Voar pelo sertão,
ou pelas verdes montanhas lá distantes no chão.
Voar com as asas sob tensão,
ou apenas com o vento roçando a pele e captando esta sensação.
Voar com o poema pela imensidão,
ou por tudo aquilo que é tão pequenino e tão vão.
Voar pela mansidão,
ou pelo simples prazer da leveza de tocar as estrelas da constelação.
Voar com o coração,
numa só batida, uma única contração.
Voar para sentir emoção,
de braços abertos como se estivesse procurando o enlace dos dedos das nossas mãos.
Voar como se fosse esta a única explicação,
ou a única razão.
Voar, voar, voar, como a sabiá e o azulão.
Aqui do décimo segundo andar em direção àquele clarão.
Claro que não sou Ícaro com a imagem da lua e seus desvãos,
porém, ao vôo nunca digo não!
Pois foi quem disse que não existem asas na minha imaginação?

Sidnei, em 20/I/2009

o vão

entre o salto e o chão,
há um vão na historia
há um tempo para respirar
há o vento a transgredir
há promessas do divino
um ultimo voo,
um filme da sua vida
high -definition
alçar ab-surdas possibilidades
da reencarnação a morte súbita
o tesão
haverá o vermelho e o vinho
haverá o purpura no asfalto
haverá de haver lembranças
quem sabe talvez
saudades

24 de mai de 2009

Brisa no deserto

Mulher que encheu meu olhos,
ascendeu meu caminho,
num momento muito difícil,
Com sua chama
encontrei-me menino
Brincando num sábado de domingo

Vou dançando em seus sonhos,
me emaranhando nos seus cabelos,
em seu colo pêssegos e morangos,
novelo de anjo ou demónio
não me importa
vou me perder e achar!
volver a los 17

abre suas portas
te quero no aconchego desse desvelo
de novo em pelo e abismos

Menina mulher que linda,
a pele mais macia que a minha já tocou,
acalma minh'alma
no arrepio de seu seio
tocando a mansidão
na margem de seus segredos,

me contagiei no teu encanto manso
quieto e calmo , magica leonina
com você eu dançaria nessa pura energia,
doce pêra, me escuta se ama,
sendo sempre sua!

sinto suas explosões
fogo e mar, céu e ar, mel e chão
eu de novo iria, e vou voar!
não vou deixar te ir
como o vento desse fim de semana
nem dizer simplesmente adeus

vou voar na sua canção,
tatuando com essa lembrança
meu coração,

22 de mai de 2009

13 de mai de 2009

Cachos de Luz



foto: depois da chuva - imagem de Ana Caribero - Carola.



diamantes de orvalho respingavam luz,
que como casulos abririam em breve !
acordariam borboletas !
sinto o cheiro do mato molhado,
minha alma alegrou-se