27 de nov de 2007

Chamas

Solicitude e ilusão,
sou também o sim, e sou não
jamais serei talvez
Sou o que te alimenta
Sou o que envenena
eterno e fugaz
sou cobranças e desvelamentos
seu incentivo e o maior dos lobos
essa liberdade de escolher prisão
a melhor companhia
a pior solidão
e o mais puro desejo
sou casamento,
sou humano e animal
o sagrado Deus
em mim o voo mais alto e abismos sem fim
o abraço que aperta no adeus em dor
o prazer mais profundo ,
em unico toque,
seu mais doce sorriso
sua intimidade em flor
sou ferimento e cura,
suas recusas em medo,
sua devassidão em coragem
sou a dedicação, pecado e perdão
sou a quatro paredes e me descarrego enchente

sou opção

me faça seu tudo ou nada
sou chama
a quem chama amor...

4 comentários:

Andréa Cristo disse...

Simplesmente divino! Beijos poeta.

Celso disse...

Adorei as suas personificações.
Um poeta de mão cheia!

Abração, querido.

Wellington Felix disse...

Andréa divino são seus comentários que me fazem escrever mais e mais, muito obrigado por sua visita, esteja sempre por perto!

Wellington Felix disse...

Celso, faço questão de seu comentario, pois nada melhor que um poeta sempre apaixonado pra sentir um poema.
Muito obrigado pela sua visita e compreensão. Seja sempre bem vindo!